UMA LÁGRIMA POR VICENTE SALLES

Era final dos anos 90. Eu trabalhava na extinta A PROVÍNCIA DO PARÁ. Através da Mirtes Morbach, jornalista que manteve até a morte laços de amizade com o mestre, eu fui cumprir uma pauta com o admirável sábio chamado Vicente Salles.

Foi uma espécie de entrevista e flanação ao mesmo tempo. Enquanto Vicente e amigos andavam pelo Ver-o-Peso eu o entrevistava para o VARIEDADES do jornal, do qual eu era editor-repórter e cronista.

Já lera alguns títulos dele, já era seu admirador. Fiquei sendo fã de carteirinha dele. Tenho alguns dos seus livros, clássicos da nossa Literatura. Pesquisador, escritor, para mim a maior qualidade de VICENTE SALLES sempre foi a sua coerência. Na vida, na Literatura, em tudo.

Junto a BENEDITO NUNES ele é um dos poucos autores a quem eu acho que todos podemos chamar de SÁBIO. Hoje Vicente Salles fez sua despedida. Uma pena para nós, paraenses. Uma lágrima por VICENTE SALLES e por nós, que ficamos mais pobres culturalmente sem ele. ADEUS, MESTRE.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “UMA LÁGRIMA POR VICENTE SALLES

  1. Estive na cerimônia de lançamento das cinzas de Vicente Salles , na baía de Guajará … e , revi e falei com muitos amigos, naquela triste tarde …

    Luiz Lima Barreiros (UBE-SP 1303 ) e SBAT-RJ

  2. O amigo escritor Vicente Salles , folclorista, antropólogo e musicólogo Vicente Salles , nasceu em Igarapé-Açu , vila de Caripi, em 27.11.1931, e viveu sua infância em Castanhal . Autor de clássicos , “Música e Músicos do Pará” e “O Negro no Pará” ;e faleceu hoje de madrugada , num hospital do Rio de Janeiro .
    Foi um pesquisador criterioso, e um grande exemplo de intelectual sério, competente, honesto e participante. Em dezembro de 1990, fiz-lhe um Perfil , para a Revista da A.P.E , nº5 . Foi nosso sócio e representante , em Brasília . E , sempre que vinha à Belém , nos visitávamos e conversávamos . Em 1987/ 1989 , eu e Plínio O. Carvalho ,também já falecido, levantamos na imprensa local e nacional , a questão da autoria da música “Peguei um Ita no Norte”, que reinvindicávamos para o paraense Gentil Puget (1912/1940). Sobre o assunto, disse-me Vicente Salles: ” Fala-se de um disco de Puget , contendo “Peguei um Ita no Norte” , anterior ao de Caymmi ; essa gravação comercial , não existe; de acetato , que podia acontecer, desconheço. Em acetatos, também copiei músicas de Waldemar Henrique , gravadas por iniciativa de Gentil Puget, na PRA-2. E, Gentil chegou a ser amigo tanto de Waldemar Henrique como de Caymmi” .
    Gentil os divulgou em seu programa radiofônico , sôbre música e músicos do Norte do Brasil.
    Vicente Salles será cremado , no Rio de Janeiro , e depois, suas cinzas virão para Belém; e serão aspergidas , na baía de Guajará , como era seu desejo .
    Requiescat in pace , amigo Vicente Salles ! …

    Luiz Lima Barreiros ( UBE-SP 1303 )

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s