NUM CERTO ENGARRAFAMENTO

 

No meio da loucura desses dias que tem se tornado a minha vida – e de mais cerca de dois milhões de moradores da Região Metropolitana de Belém – deparo com a impoluta figura de Seu Miquelino. É batata! Ele me encontra, o papo monologado rola. Claro que ele sempre fala mais do que eu!

– Seu Miquelino!

-Nobre escriba, que bons engarrafamentos o trazem?

– O senhor sempre tão engraçado…

– Engraçado é comer urubu pelo papo!

– O que o senhor tem feito?

– Quase nada e me especializando em Ciências Sobrenaturais.

– Essa é boa! E o senhor, que sempre foi tão crítico, o que tem achado das obras do BRT?

– Pois, devo lhe dizer meu escriba, tenho adorado!

– Como assim? Todo mundo tá detestando!

– Ora, essa plebe ignara não tem vontade nem voz; eles têm veneta e chiam mais que asmático em tempo de crise!

– Olha o politicamente correto!

– Isso é outra asneira! Imagina que tem gente chamando os nossos caboclos de Bragança de afro-bragantinos!

– Mas, e o troço do BRT?

– Rapaz, eu acho que, em breve, farão uma estátua do nosso alcaide em praça pública! E o louvarão como um verdadeiro deus; percebes?

– Deveras?

– Olha só: com o tempo que disponho agora no ônibus, no trajeto de casa (lá na Cidade Nova) até a Presidente Vargas, que dá mais ou menos umas três horas, eu já li, só essa semana, “Os Sertões”, do Euclides da Cunha; “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, do Machado de Assis; “Poesia Completa”, do Cruz e Souza e estou começando “Ulisses”, do James Joyce. Sacaste a parada?

– Qual é?

– A contribuição sem par para a Educação e Cultura nacionais do nosso alcaide, incentivando a leitura enquanto estamos presos aos engarrafamentos.

– Engarrafamentos que ele criou!

– Ó homem de pouca fé! E tem mais: conheço gente – e muitos! – que começou relacionamentos, estreitou outros e está para casar por causa das obras do BRT!

– Será?

– Ora pois! Sei de compositores que, não tendo sossego em suas casas, estão pegando o primeiro ônibus no final de uma linha qualquer, sentando na “cozinha” e fazendo suas musiquinhas nas seis horas de ida e volta do busão!

– Não me diga!

– Conheço também uma manicure do Paar que montou salão dentro de um ônibus e atende a galera com hora marcada no engarrafamento!

– Égua!

– Pois é… E você com esse preconceito bobo com nosso alcaide, um gênio da política, um estadista!

E mais não disse, e nem eu perguntei a ele.

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s