SETE MUSAS, MIL DESEJOS

Este conto seria publicado como homenagem ao DIÁRIO DO PARÁ na edição do dia 28 de Agosto de 2011 do dito jornal. Seria. Não foi. Sei lá quais as razões! Aí está ele para vocês, leitores do blog. Apreciem sem moderação.    

1.

Ela abre as asas e solta suas feras, esvoaçando pelos sonhos que eu perpetuo nas linhas imaginárias. Ela compõe alguns dos meus “Retratos da Vida”, imagens que se entrelaçam como se fossem anéis de fumaça que somem com a brisa mais leve. Os deuses deviam estar loucos quando a criaram assim, meio menina, um tanto mulher, o rosto metamorfoseado pelas etnias, os cabelos indo até os quadris, os seios feito pomos, a boca pulsando mil desejos, essas coisas que eu adivinho enquanto leio o jornal e vou passando o troco aos passantes.

2.

Se existe uma coisa que eu admiro, podem acreditar, é ver essas legendas que os caras criam para as fotos. Especialmente as das colunas sociais; aquelas que vêm logo abaixo das fotos das garotas mais bonitas. “Misto de mulher e sereia, Fulana abre o sorriso nesta manhã dominical de verão para os nossos leitores”. Eu sou um deles. Mulher e sereia. O sujeito é um poeta. Não um desses velhotes que a professora de Literatura tenta empurrar goela abaixo da gente nas aulas noturnas, tipo Bilac, Castro Alves, Casimiro de Abreu… Poeta mesmo, daqueles paidégua. Um cara clássico, desses que resiste ao tempo. Por que não haveria Poesia em legendas de fotos? Só porque o jornal de hoje vai embrulhar a bosta de cachorro amanhã?

3.

Tem cara que abre o jornal e – pá – vai direto pro caderno de Esportes ou Polícia, né? Vá lá, cada um com as suas manias. A minha é ler o jornal como se fosse uma sequência, do jeito que eu recebo de madrugada no fim da linha do ônibus. Pra mim tudo tem uma ordem na vida. As coisas não ocorrem ao acaso. Tenho um camarada de trabalho que discorda; para ele, Deus move seus dados e as fichas do Jogo da Vida do Universo – essas fichas somos nós, né? – e nos coloca nos perrengues diversos que vamos dando de cara pela existência afora. Ele gosta de Paulo Coelho, já leu uns duzentos livros do cara. Já eu, hum-hum! Então… Leio o jornal como eu encaro a vida: começo pelo primeiro caderno, depois Brasil, depois Você, depois Esportes, por último Polícia. Os caras que fazem o Polícia às vezes são uns comediantes. Eu penso que eles se juntam no final da noite ou de madrugada e vão arquitetando esses títulos: “Efeito dominó derruba trio do tráfico”; “Marido desceu a peia na mulher e ta em cana”; “Rambo do Jurunas está preso”; “Homicida já vê o sol nascer quadrado”; “Fujão tentou dar no pinote e acabou preso”. Pois mesmo em meio a essa desordem geral sem progresso eu achei beleza; não dizem que há pérolas no fundo do lodaçal? Ela estava lá, numa foto em quatro colunas – essa informação eu aprendi com um cara que é jornalista e todo dia pega o ônibus no final da linha comigo; não era linda, como essas mulheres da TV e do cinema, mas eu me amarrei nos olhos fundos como que em permanente ressaca – tá certo, tinha acabado de ler sobre Capitu, aquela do Machado de Assis, sacam?  – nos cabelos em desalinho, no decote. Era mulher de bandido. Moleca doida, diz o povo. Musa chave de cadeia, tabaréu.

4.

Os caras daqui da empresa ainda não entenderam uma coisa: detesto que fiquem filando meu jornal. Cacete! Por que não compram os exemplares deles? Cada um que eu vou te contar! Depois eu é que sou grosseiro! Pior: desalinham todo o jornal, dobram os cadernos, fazem uma confusão total. Cada qual com o seu cada qual, já dizia minha finada avó. Eu sou assim. Deixa pra lá… Pintou outra musa, que eu vi antes do motora pedir emprestado o caderno de Esportes para ler a coluna do Gersón Nogueira. O nome dela é Lígia. Está lá nos “Retratos da Vida” de 3 de agosto deste ano. Até aprendi uma canção do Tom Jobim por causa dessa musa. Fiquei mudo quando vi as fotos. A prova da existência de Deus, para mim, é o sorriso de uma criança e as mulheres bonitas e lindas, as feias que me perdoem. Lígia tem uma marquinha de biquíni… benza Deus! De frente, de trás, de lado: perfeição teu nome é Lígia. Guardei a página dentro da minha pasta de documentos. De vez em quando olho as fotos e sonho com Lígia em Ipanema, num cinema, tomando um chope gelado… O sonho não é o que nos diferencia dos animais irracionais? Pois taí!

5.

Abri o Você do dia 27 de julho e as duas estavam lá. Lindas e loiras. Chiques e perfeitas. Calor dos seiscentos graus nesta Belém quase africana, um ar de Saara. A cidade deserta mesmo. “Jesus me abane ou instale um ar-condicionado no meu corpo”, murmurou um sujeito sentado no banco próximo à “cozinha” do ônibus. Desculpem, me distraí. Falava das musas loiras e lindas. A legenda dizia que elas esbanjavam “charme e elegância”. Bom, não devia ser num ônibus no meio da Avenida Almirante Barroso, às duas da tarde deste verão de 2011. Claro que não. Musas não andam de ônibus; ou será que andam? Certamente essas duas musas que eu vi na coluna da Carmen Souza não. Chiques e perfeitas, elas sorriem como se não houvesse amanhã, contas a vencer, dor no ciático, falta de água ou de luz, e a vida fosse uma eterna happy hour.

6.

Meu emprego pode estar perigando. Mandei o cara da fiscalização à merda porque ele me viu lendo o jornal. Justo na hora em que eu estava debruçado sobre a coluna da Erika Titan. Acho que a vida de colunista é maneira, sabia? Pelo menos nas edições do verão é só fotos e legendas. Assim até eu, diria o motora do 601. A coluna do fim de julho trazia um monte de fotos de gatas do verão. Difícil escolher uma musa somente, palavra, entre tantas déboras, carlas, bárbaras, angélicas, marianas, patrícias, renatas… Ai, Senhor, por que me fizeste pobre e não nababo como um filho de capitalistas renhidos? Vou guardar o jornal debaixo da poltrona. Depois eu vejo a Thaís Fersoza num ensaio de biquíni para a revista “Dieta Já”. Tá lá em “Retratos da Vida”. Melhor segurar a onda, emprego não é fácil de encontrar, o dedo-duro do fiscal pode frescar comigo. A sétima musa fica pra depois, pra depois.


1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “SETE MUSAS, MIL DESEJOS

  1. Amei o conto! Pensei que era só eu que lia na sequencia, na ordem…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s