Ver-o-Peso (2)

 

III

 

Velas fitando estrelas

estórias de assombrados

inúteis versos escritos

assuntando o mundo.

 

Punhado de esperas nos olhos

pousados sobre o infindo rio-mar

Desassossego de memórias.

 

 

(No Ver-o-Peso da vida

Eis tal ponto singular:

Os barcos vão de partida

Para a saudade chegar…)

 

IV

 

Eis teu irmão,

Frágil cavaleiro do efêmero:

Feirante / camelô / apóstolo

vagabundo / poeta / lixeiro

pedinte / rufião / prostituta

louco / bicheiro / menor.

 

Na lentidão das horas

a vida

– esse tenro fruto –

apodrece.

Foto: lucasgaspari.blogspot.com

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s